Ir para o conteúdo Ir para a navegação principal Pular para o rodapé

Enem: professores apontam erros mais comuns e assuntos cobrados em Português

Um dos momentos mais aguardados do Exame Nacional do Ensino Médio (Enem) é a descoberta do tema da Redação. Na visão dos professores, ter conhecimento do assunto é fundamental para construir bons argumentos, e a gramática é outro ponto fundamental, mas, muitas vezes, negligenciada pelos candidatos.

A prova de Linguagens, Códigos e Suas Tecnologias, aplicada no mesmo dia da Redação, avalia, dentre outros pontos, os conhecimentos gramaticais dos candidatos. Segundo o Instituto Nacional de Estudos e Pesquisas Educacionais Anísio Teixeira (Inep), o desempenho dos estudantes brasileiros em 2017 foi menor que em 2016 nessa área.

Pensando nisso, o CORREIO conversou com professores e listou os erros mais comuns cometidos pelos candidatos do Enem na prova de Linguagens e Códigos, que tem 45 questões, sendo cinco de Língua Estrangeira e 40 de Português, Literatura, Artes, Educação Física e Comunicação. Em 2017, apenas um candidato em todo o país superou os 750 pontos nessa avaliação. A nota mínima foi de 299,6 pontos.

Acentuação
Segundos os mestres, o primeiro requisito para responder a prova é ter atenção. O professor de Português e Redação do ProEnem e apresentador da TV Escola, Romulo Bolivar, contou que a acentuação gráfica aparece na lista dos erros mais frequentes, seguida de mau uso da crase e dos erros de pontuação.

“São conhecimentos trabalhados na prova de Linguagens e Códigos e que também fazem parte da competência número 1 da Redação. As questões objetivas podem não perguntar diretamente sobre pontuação, mas esse conhecimento é necessário para saber a resposta”, afirmou.

Em caso de dúvida, se a palavra leva ou não acento, a orientação do professor é para que os estudantes encontrem um sinônimo e a substitua. Nas situações de incertezas de crase e pontuação, ele recomenda aos candidatos não usá-las. “É mais fácil ele errar colocando do que não pontuando”, disse.

A proficiência média dos participantes que fizeram a prova de Linguagens no ano passado foi de 510,2, enquanto no ano anterior foi de 520,5. Os candidatos que estavam concluindo o ensino médio tiveram rendimento menor (506,5) do que aqueles que já eram egressos das escolas (513,84) e ou treineiros (516,86).

Escrita
A concordância e a conjunção verbais foram outros itens muito citados pelos professores como erro frequente dos candidatos. Stephanie Sapucaia, 17 anos, está no último ano da escola e concorda com os mestres. “Sou melhor em Humanas do que em Exatas, mas tenho algumas dificuldades com Português, principalmente, com verbos”, contou.

O uso da linguagem da internet pode ser em parte responsável pelas confusões de alguns estudantes. Abreviações de palavras e expressões e a maneira informal da escrita prejudicam quem não exercita outro tipo de leitura. Para a professora de Português do Instituto Dom de Educar (Rede FTC), Daize Fonseca, a atenção precisa ser redobrada.

“No caso do uso do porquê, abreviado como pq, não fica claro na conversação se ele é junto ou separado, com o sem acento, por exemplo. Muitos estudantes erram o uso do ‘Mais ou Mas’, ‘Me ou Mim’ e o uso de vírgulas”, disse.

A orientação é para que os candidatos prefiram frases curtas e na ordem na hora de escrever: sujeito, verbo e predicado. Os professores aconselham um estudo das regras gramaticais e a leitura e análise de textos diferentes da linguagem coloquial. “O enunciado da questão também pode ajudar na resposta e é importante conhecer os casos especiais e exceções da gramática”, disse Daize.

Comandos
E por falar em enunciado da questão, o professor de Português e Redação do Cursinho Universitário e do Colégio Isba, Luís Alberto, destacou a necessidade de atenção com os comandos de cada pergunta. Na prática, são verbos que orientam o candidato sobre o que, de fato, interessa para o avaliador.

“É preciso perceber o que está sendo pedido, como ‘identificar tais elementos’ ou ‘destacar as características de tal processo’. Identificar, destacar, apontar, encontrar são os comandos, por isso, o candidato precisa estar atento”, disse.

Segundo o professor, outros erros comuns dos estudantes são os usos dos pronomes e conjunções, além da concordância nominal, parônimos e homônimos. “São questões que vêm diluídas nos textos. O candidato nem percebe que está sendo cobrado”.

Para evitar os enganos, os estudantes devem praticar, respondendo simulados e destacando esses elementos nas leituras do dia a dia. A estudante do 2º ano, Ana Carla Pio, 17, adora ler romances de fantasia e espera que esse hábito ajude na hora da prova.

“Ainda não decidi que carreira vou seguir e esse será o meu primeiro Enem. Estou na escola pela manhã e faço curso à tarde, então, estudo quando ainda tenho energias. Eu leio bastante e isso também deve ajudar”, disse.

Este ano, 398.490 baianos se inscreveram para fazer o Enem. Em todo o país, são cerca de 5,5 milhões de candidatos. Entre eles está o estudante do 2º ano Mateus Oliveira, 17, que sonha em se tornar advogado.

“Esse será meu primeiro Enem e minha maior dificuldade em Português é com pontuação, mas minha preocupação maior é com Física. Estou estudando quando posso. Vou fazer o Enem mais para ver como é e me preparar para o ano que vem”, disse.

Assuntos mais cobrados
Os professores garantem que alguns assuntos são recorrentes no exame. São questões ligadas à variação linguística, coerência e coesão e interpretação textual.

O professor de Português e Redação do ProEnem, Romulo Bolivar, destacou também romantismo, modernismo e perguntas relacionadas com a cultura, arte e educação física. “É muito comum questões sobre tipologia textual, pedindo para o candidato reconhecer o tipo de texto e suas finalidades”.

Educadores apontaram também figuras de linguagem, como metáforas, ironias e paradoxos, além de metalinguagem e funções poéticas, como assuntos recorrentes. Linguagens conotativa (mais ligada ao sentido figurado) e denotativa (sentido real) são outras questões frequentes.

Erros mais comuns em Português

Acentuação gráfica

Crase

Pontuação

Concordância verbal e nominal

Variação linguística

Tipologia textual

Coerência

Coesão

Parônimos e homônimos

Conjunção e pronomes

 

Veja temas da prova de língua estrangeira

Inglês

Leitura e interpretação de textos
A consultora pedagógica do SAS Plataforma de Educação Maiara Sena explica que 51,3% das questões de Inglês, desde 2010, exigem leitura e interpretação de textos. “É preciso de muita prática e orientamos que os alunos exercitem a leitura de conteúdo variados”, diz Maiara.

Cartoons, tirinhas e charges
É importante ter noção do uso de linguagem coloquial e interjeições, para interpretar também textos não verbais e com carga humorística.

Domínio lexical
“Orientamos traçar um plano de estudo com foco em sufixos, falsos cognatos, verbos frasais e expressões idiomáticas”, afirma Maiara.

Poemas e canções
Ela diz que a prova trabalha, ainda, linguagem subjetiva e figuras de linguagem. Na maior parte das vezes, em poemas e canções.

Identificação da função do texto
Também dentro do universo de textos, as questões de Inglês costumam exigir que o aluno reconheça gêneros textuais e saiba identificar o público-alvo de cada conteúdo.

 

Espanhol

Compreensão e interpretação de textos
A orientação também é praticar a leitura de conteúdos diversos, como acadêmicos, matérias jornalísticas e letras de música.

Semântica e domínio lexical
“Mais importante do que conhecer palavras é saber identificá-las a partir do contexto no qual estão inseridas”, diz Maiara.

Funções da linguagem
Ela explica que variedade de funções em um mesmo texto e hierarquização das funções de acordo com o gênero textual são os conteúdos mais cobrados.

Identificação da função do texto
É importante que o aluno exercite sua capacidade analítica de modo a entender o propósito dos textos e a diferença entre textos formais e informais.

Leitura e interpretação de charges e tirinhas
Textos que apresentam linguagem verbal e não verbal são cobrados.

Fonte: SAS Plataforma de Educação